Ultimas Noticias,Parlamentares Evangélicos querem legalizar “cura gay”



A homossexualidade deixou de ser considerada doença pelas Nações Unidas na década de 1990. Portanto, um psicólogo não poderia fazer alguém mudar sua orientação sexual. Contudo, os parlamentares evangélicos pensam diferente e desejam reverter uma resolução do Conselho Federal de Psicologia.Segundo um projeto de decreto legislativo, encaminhado  pelo deputado João Campos (PSDB-GO), o conselho “extrapolou seu poder regulamentar ao “restringir o trabalho dos profissionais e o direito da pessoa de receber orientação profissional”. Esse projeto pode suspender dois artigos (instituídos em 1999) que proíbem um psciólogo de emitir opiniões públicas ou tratar a homossexualidade como doença.

Campos é líder da Frente Parlamentar Evangélica. O pivô da questão que  agora chega à Brasília é Marisa Lobo, 39, um “psicóloga cristã” que luta contra o Conselho Regional de Psicologia do Paraná.  Ela tem lutado contra o que chama de “privilégios gays” e pediu união dos pastores e parlamentares cristãos no tratamento desta questão.
Ela foi acusada de ferir o código de ética da categoria devidos a textos de sua autoria sugerindo que, para “alcançar a comunidade gay”, deve-se seguir o exemplo de Jesus, que “não concordava com certos comportamentos, porém tratava com tolerância e amor”.
Membro da igreja batista, Lobo alega sofrer “perseguição religiosa”, mas nega oferecer “cura” a pacientes gays e rechaça qualquer acusação de homofobia.
Ela foi convocada recentemente a retirar da internet seu material vinculando psicologia e religião. Diversos ativistas pró-gay e também ateus fizeram denúncias contra Marisa, que corre o risco de perder seu registro profissional.
Para Humberto Verona, presidente do Conselho Federal de Psicologia, “não existe psicólogo cristão: a psicologia é laica, a pessoa é cristã”. Ele acredita que o projeto de lei dos deputados irá interferir na autonomia do Conselho que possui “normas éticas para combater uma intolerância histórica”.
O pastor e deputado Roberto de Lucena (PV-SP) é relator do projeto de Campos, hoje sob análise da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara. Para ele, os pais têm o direito de encaminahr os filhos para “redirecionamento sexual”. Mas reconhece que o tema deve ser discutido em audiência pública. Isso deve ocorrer nas próximas semanas, em Brasília.
Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, afirma que é o preconceito que leva um gay a procurar tratamento. Ele acredita que “deve-se curar a síndrome de patinho feio e não a homossexualidade em si”.
Com informações Folha.com
COMPARTILHAR:

+1

VÍDEOS....

Nildo Nascimento / Pr. Gilmar Santos

Nildo Nascimento

Remidos o filme