Nesta quinta-feira, o pastor e deputado federal Marco Feliciano fez um pronunciamento no plenário da Câmara dos Deputados pedindo que o Ministério Público (MP) e a Polícia Federal (PF) tomem providências contra as ameaças e ofensas que grupos ligados ao movimento homossexual tem feito nas redes sociais contra o pastor Silas Malafaia.
O Deputado afirmou que as ameaças acontecem porque o pastor Silas se posiciona “em defesa da família, do Evangelho de Jesus e do respeito do cidadão, que pretende educar seus filhos de um modo que se coadune com o que a grande maioria do povo brasileiro pensa e age”.
Marco Feliciano também citou o procurador Jefferson Aparecido Dias, responsável por uma ação no MP contra o pastor Silas, que pede que este se retrate por suposta incitação ao ódio feita durante o programa Vitória em Cristo. Na ocasião, o pastor Malafaia cobrou atitudes dos representantes da Igreja Católica em relação à profanação dos símbolos do catolicismo durante a Parada Gay em São Paulo....
...
O deputado pediu ao procurador que leve em consideração a questão cultural, pois Silas Malafaia, que é carioca, usou termos que no Estado do Rio de Janeiro, são comuns e não pejorativos.
Marco Feliciano ressaltou que sua intervenção no caso não aconteceu a pedido do pastor Silas Malafaia, mas sim por se tratar de um dever seu como cidadão. “O Pastor Silas, não pediu para que eu interviesse, mas diz a lei que qualquer um do povo pode, mas a autoridade constituída deve tomar providencias quando tem conhecimento de um fato tido como lícito pelas nossas leis, e antes que aconteça alguma agressão, e venhamos a lamentar pela integridade de tão importante homem de comunicação Evangelística”.
Confira abaixo o pronunciamento do pastor e deputado federal Marco Feliciano na íntegra:...

.....Uso desta tribuna para ensejar esforços no sentido de que as autoridades do Ministério Público e da Polícia Federal venham a identificar e tomar as devidas providencias quanto a grupos de pessoas que de forma sistemática e organizada através dos instrumentos de relacionamentos sociais, exemplo Twitter, Orkut, Facebook, enfim, a internet de um modo geral, grupos esses que se intitulam GLSBT, proferindo ameaças ao Pastor Silas Malafaia, por suas atitudes em defesa da família, do Evangelho de Jesus e do respeito do cidadão, que pretende educar seus filhos de um modo que se coadune com o que a grande maioria do povo brasileiro pensa e age. Peço ao Senhor Procurador Regional dos Direitos do Cidadão, em São Paulo, Dr. Jefferson Aparecido Dias, que instaurou inquérito civil, no Ministério Público, que análise expressões usadas pelo Pastor Silas Malafaia em seu programa Vitória em Cristo, são populares no Rio de Janeiro e não são pejorativos, mas apenas força de expressão enfatizando um pensamento, pois se sentiu indignado com o vilipendio de símbolos católicos por parte de alguns participantes da chamada Parada Gay, ele simplesmente conclamou a Igreja Católica a “Entrar de Pau em cima desses caras”, e também “ baixar um porrete em cima, para esses caras aprenderem” , afirmou o Pastor durante o programa, para que fossem tomadas medidas judiciais cabíveis.
Não é da índole de qualquer Pastor, principalmente do quilate do Pastor Silas Malafaia, ter intenção de ofender quem quer que seja, mas sabemos que num programa onde se luta com forças sobrenaturais é comum os ânimos estarem aquecidos.
Se esse Senhor, que representa os movimentos ABGLBT, realmente for intencionado no sentido de apaziguar ânimos, deveria orientar seus seguidores a não proferir ofensas e ameaças de morte através das redes sociais.
Não vejo nas palavras usadas pelo Pastor Silas Malafaia, nada mais do que se usa em conversas coloquiais sem a meu ver constituir qualquer traço de Homofobia.
O Pastor Silas, não pediu para que eu interviesse, mas diz a lei que qualquer um do povo pode, mas a autoridade constituída deve tomar providencias quando tem conhecimento de um fato tido como lícito pelas nossas leis, e antes que aconteça alguma agressão, e venhamos a lamentar pela integridade de tão importante homem de comunicação Evangelística, é mister que alguma coisa se faça. Enviarei ofício ao Ministério Público e Polícia Federal, para, se for o caso, iniciarmos procedimentos investigatórios cabíveis, visando proteger a integridade do nosso irmão em Cristo.
Muito Obrigado!
Pastor Marco Feliciano
Deputado Federal PSC-SP