Estudo - A espera de um socorro


Se você ficar calada numa situação como esta, do Céu virão socorro e ajuda para os judeus e eles serão salvos…
Ester 4. 14.
No meio do ano de 2001, de férias em Natal, vi uma apresentação do grupo de dança de minha igreja que marcou profundamente. Ainda hoje me emociono ao ouvir a canção que dançaram naquela noite – “Elevo meus olhos”, na voz de Ana Paula Valadão e Paul Wilbur. A música tocou pelo ritmo e melodia, mas principalmente
pelo impacto que aquela letra – bíblica – provocou naquele momento específico de minha vida. O texto do salmo era tudo o que eu precisava ouvir. Geralmente é assim mesmo: quando a gente menos espera, Deus traz a nós uma palavra apropriada que volta a nos dar a força e a esperança. Naquela noite, a conjunção de letra, melodia, ritmo e dança marcou a minha vida. Renovou a esperança de sair de uma situação intimamente difícil. E havia razão para isso: do Céu me viria o socorro!

É assim que muitas vezes as circunstâncias da vida nos deixam: a espera do socorro. Por isso, tantas vezes nos identificamos com personagens como Daniel e seus amigos. Jogados às feras para sermos devorados ou lançados em uma fornalha ardente, esperamos o milagre em nosso socorro. Aguardamos ansiosamente a intervenção do Céu para nos livrar. Sofremos, ansiamos, esperamos com fé. E sabemos que do Céu nos virá o socorro.

Às vezes, no entanto, nos vemos na situação de Mordecai. E essa é uma situação difícil porque nos fere. Estamos ameaçados. Porém, somos cientes que existem pessoas em posição de nos ajudar, de nos socorrer, de transformar as coisas. No entanto, tais pessoas escolhem não se envolver – por medo ou opção – deixam-nos sós com nossos problemas. E eu sei o quão duro é levar esse peso – o da dificuldade – somado à indiferença de quem pode nos ajudar.

Se você ficar calada numa situação como esta, do Céu virão socorro e ajuda para os judeus e eles serão salvos… Mordecai demonstrou uma fé que acho difícil de encontrar em mim mesmo, mas que é a mensagem de Deus para mim e para você. Se aquela pessoa que está em posição de socorrer – como a rainha Ester – não quiser se envolver, Deus proverá uma outra saída, um outro caminho, um socorro vindo de outra parte. Mas é preciso ter fé e esperar: ainda que quem possa nos ajudar não queira, Deus no Céu ouve o nosso clamor e desce para nos livrar.

Isso, para mim, é esperar contra a esperança. Quando não mais parece haver ajuda ou saída, ainda podemos esperar a ajuda do céu. Ainda que venha no último instante. Ainda que surja como um anjo andando conosco no meio da fornalha. Ainda que seja um anjo que fecha a boca do leão faminto diante de nós. Deus não nos desamparará, mesmo que o homem desampare. Do céu virá o socorro.

Daniel Dantas
Igreja Batista Viva – Natal (RN)
e-mail: danieldantas79@uol.com.br
http://cavernadeadulao.blogspot.com

Fonte: Bíblia Aberta
COMPARTILHAR:

+1

Nildo Nascimento / Pr. Gilmar Santos

Nildo Nascimento

Remidos o filme